segunda-feira, fevereiro 15, 2010

Ó abre alas que eu quero passar...

Último dia de carnaval na TV e eu já estou ficando triste. Não não estou falando daquele carnaval de doido, com pessoas pulando atrás de um trio-elétrico, num agarra-agarra sem fim, porque não sou fã de axé, nem de multidão.

Estou falando do carnaval de avenida, com o pessoal torcendo por sua escola de coração. Do carnaval de salão, com muita marchinha e samba-enredo. Tá certo que nos últimos anos eu ando fugindo de bailes. Faz tempo que não vou à avenida (não, nunca fui ao Rio, mas aqui na minha cidade o desfile é bem legal também). Mas não tem um ano que eu não assista à transmissão. Sou daquelas que assiste a apuração e torce!

(Pausa: podem rir que eu deixo!)

Adoro as explicações de tudo aquilo. Sim, porque só na Globo é que você vai saber o que significaram aquelas pedras medonhas na comissão de frente da Imperatriz ontem!kkkkkk É igual F1, todo mundo quer ver ao vivo, mas se não tem o Galvão dizendo para você quem está em primeiro... fica difícil!

Em homenagem ao carnaval que está quase no fim... aí vão os dois sambas-enredo que eu mais gosto. Apesar de ser mangueirense e sãopaulina!



Sonhar Não Custa Nada! Ou Quase Nada (1992)

Mocidade (RJ)
Composição: Paulinho Mocidade, Dico da Viola e Moleque Silveira
Sonhar não custa nada
O meu sonho é tão real
Mergulhei nessa magia
Era tudo que eu queria
Para esse carnaval
Deixe a sua mente vagar
Não custa nada sonhar
Viajar nos braços do infinito
Onde tudo é mais bonito
Nesse mundo de ilusão
Transformar o sonho em realidade
E sonhar com a mocidade
E sonhar com o pé no chão

Estrela de luz
Que me conduz
Estrela que me faz sonhar

Amor, sonhe com os anjos (não se paga)
Não se paga pra sonhar
Eu sou a noite mais bela
Que encanta o teu sonho
Te alucina por te amar (amar, amar)
Vem nas estrelas do Céu
Vem na lua de mel
Vem me querer

Delírio sensual
Arco-íris de prazer
Amor, eu vou te anoitecer

Eu vejo a lua no céu
A mocidade a sorrir
De verde-e-branco na sapucaí



Samba Enredo 1995 - O que é Bom é Para Sempre
Gaviões Da Fiel

Amor, são 25 anos de felicidade,
Amor, nossa bandeira vai cobrir toda a cidade

Gaviões fiel!

Me dê a mão, me abraça
Viaja comigo pro céu
Sou gavião, levanto a taça
Com muito orgulho, pra delírio da fiel
Me dê a mão, me abraça
Viaja comigo pro céu
Sou gavião, levanto a taça
Com muito orgulho, pra delírio da fiel

Ai, um brinde,
Um brinde ao jubileu de prata
Convido a massa, pra comemorar
Explode um grito na galera
Tem gol de fera, para delirar
Explode um grito na galera
Tem gol de fera, para delirar
Oi, hoje,
Hoje sou criança reino encantado de brinquedo e fantasia
Na minha lembrança
Sonhei dourado e brinquei de poesia
Vou te levar pro infinito
Vou te beijar do jeito mais bonito
Ai que gostoso
Ai que gostoso amor, ai que saudade
Te amo, te amo de verdade
Maravilhas
Fadas e rainhas, mil heróis na minha história
O que é bom pra sempre
Fica guardado na memória
Tem pierrô
Pierrô arlequim colombina
Todo mundo quer sambar
Se enroscar na serpentina
Olha pra mim abre o teu sorriso
É carnaval sou rei do riso
Vou gargalhar, quero alegria
Lavar a alma com o som da bateria
Olha pra mim abre o teu sorriso
É carnaval sou rei do riso
Vou gargalhar, quero alegria
Lavar a alma com o som da bateria
Me dê a mão
Me dê a mão, ma abraça...

CURIOSIDADES:
No ano de 1992, a campeã do desfile do Rio de Janeiro foi a Estácio de Sá, com um sama-enredo sobre a semana de arte moderna (Paulicéia Desvairada - 70 anos de Modernismo ). Vocês podem perceber que o samba da mocidade é mais lento que hoje são os que tocam por aí...

Já no ano de 1995, a campeã em São Paulo foi a própria Gaviões.

Explicações: não tem o por quê de eu gostar mais desses do que dos outros. Mas acho que só de não citar as palavras "criador", "mãe oxá", "descobridor" e outras mais são comuns em sambas-enredos medíocres já deve ser um deles!

3 comentários:

J.F. disse...

Virgínia, em Sampa, praticamente desapareceram os bailes de carnaval. Neste ano, fora as matinês para crianças, a imensa maioria do grandes clubes, se não a totalidade, não os realizou. E os poucos bailes carnavalescos foram realizados por casas noturnas. A música? Bom, nada de música carnavalesca. Apenas com música sertaneja, axé, funk, essas coisas. Há muito tempo não prestava mais atenção ao desfile das escolas. Ontem, porém, gostei muito da Unidos de Vila Isabel.
Abração e viva o glorioso SPFC.

J.F. disse...

Oi, Virgínia. Eu de novo! Onde eu escrevi, na postagem anterior, Unidos de Vila Isabel, leia-se Unidos da Tijuca.
Aproveitando o espaço, seu blog já está linkado, lá no meu.
Abração.

Adriana Mello disse...

Eu não gosto de desfiles, mas não perco uma apuração. Adoro!