terça-feira, agosto 25, 2009

Cunha by Virgínia Tour

Segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), o Fusca é o terceiro carro mais comercializado no Brasil. Só nesse ano de 2009 (8 meses)mais de 106,9 mil veículos foram vendidos. O que significa que esse é o carro usado mais vendido no país e o terceiro entre novos e usados (ficando só atrás do Gol e do Palio).

Mas se você pensa que esse carrinho só tem mercado entre o pessoal mais pobre, está rendondamente enganado. Além dos aficionados e colecionadores do modelo da VW, algumas pessoas preferem o Fusca. Sabe onde? Em Cunha!

Cunha é uma estância climática localizada no Estado de São Paulo. Fica encravada entre as Serras da Quebra-Cangalha (o nome já diz tudo, não), da Bocaina e do Mar. Um dos pontos turísticos mais legais é a Pedra da Macela (são 1.840 metros de altitude). De lá é possível enxergar as praias de Parati (em dias bons você consegue ver até os guarda-sóis na areia! hehhheheee). É umas das cidades dentro do passeio turístico-histórico da Estrada Real. Além disso, foi palco de famosas batalhas da Revolução Constitucionalista de 32, travada entre os paulistas e as tropas federais.
Vista a partir da Pedra da Macela

Está a 1100m de altitude, o que confere um clima bem gélido. Não tem o glamour de Campos do Jordão, mas recebe inúmeros turistas (principalmente durante o Festival de Inverno e quando da abertura dos fornos de cerâmica).

Agora você deve estar pensando: o quê o Fusca tem a ver com Cunha? Tudo! Mais de 50% da população da cidade vive na zona rural. São mais de 12mil pessoas espalhadas por fazendas, sítios, chácaras num total de 1.410 km² (maior município do interior do estado de São Paulo! Não em área urbana, né? kkkkkkkkk) . E para ligar tudo isso? Centenas de estradinhas de terra, muitas delas tão íngremes e estreitas que você tem certeza que está indo para Machu Pichu!

Mesmo o centro da cidade é uma pirambeira só! Só o bom e velho Fusquinha e o seu famoso motor traseiro para dar conta de tanto sobe e desce. Segundo reportagem da Quatro Rodas, são mais de 2mil fusquinhas rodando na cidade. O que equivale a 1 para cada 13 habitantes!
Vista do centro da cidade

A mesma revista diz que lá em Cunha um Fusquinha chega a custar 30% mais que qualque outro lugar do país. De cada 15 carros que aparecem na funilaria da cidade, 14 são do modelo da VW!

Já que estamos falando de Cunha, vamos dar o serviço:

Quando ir? Em qualquer época do ano, mas se você gosta de um pouco de badalação, o ideal é ir no inverno.

Como chegar? Partindo de São Paulo, pela Via Dutra ou Ayrton Senna, em direção ao interior do Estado. São 173km até Guaratinguetá; depois é só pegar a SP-171 (Rod. Paulo Virgílio). São mais 50 km até o destino.

Onde ficar? 1) Pousada Barra do Bié (Chique, viu? Fica na estrada entre Cunha e Parati. 6km de distância do centro da cidade)
2) Fazenda São Francisco (Já me hospedei nela, mas já fazem alguns bons anos. Fica 20km de distância do centro da cidade, ainda na SP-171. Tem trilhas, cavalos, cachoeira e piscina - se bem que no frio... me lembro bem da câimbra que tive!kkkkkk)
3) Pousada dos Anjos (na estrada para Parati, uns 6km da entrada da cidade; São 7 chalés. A pousada tem sauna)

Onde comer? 1) Restaurante Quebra-Cangalha
2) Estalagem Shambala (dentro do hotel)
3)Churrascaria da Serra (Rod. Paulo Virgílio, km 20)
4)Tudo da Roça (Rod. Paulo Virgílio, km 24)

Onde ir? 1) Parque Estadual da Serra do Mar - Núcleo Cunha-Indaiá (São 3 trilhas, mas só uma não precisa de guia - é a do Rio Paraibuna - e cachoeiras. O parque disponibiliza guias; acesso pelo km 53 da SP-171 para Parati - 30 km, sendo 20 km de terra; Telefone(12) 3111-2353)
2) Pedra da Macela (força na peruca! São 2km à pé até o cume, mas a vista compensa; acesso pelo km 65 da SP-171 para Parati - 31 km, sendo 4,5 km de terra)
3) Trekking na Trilha do Ouro (trecho de 45km da Antiga Estrada do Ouro. O percurso começa em Campos Novos, a 30 km de Cunha, passa por rios, cachoeiras, trilhas íngremes e trechos com calçamento, e termina na vila da Mambucaba, pertinho do mar. No fim do roteiro, a agência oferece traslado de volta a Cunha ou leva o carro do cliente até o local. A trilha dura de 2 a 4 dias. Valor? Mais ou menos R$ 160 a diária (inclui refeições, guia, traslado e pernoite em casa de colono ou camping). Trilha do Ouro, telefone (12)3119-1205)
4) Trekking pela Calçada do Ouro (5 horas de passeio, percorrendo o mesmo caminho usado pelos escravos, no século 18, para escoar o ouro de Minas Gerais até o porto de Parati - este é um trecho da chamada Estrada Real. Metade da trilha ainda tem o calçamento original - a outra metade é de terra. O ponto final é a cachoeira 7 Quedas, já em Parati, de onde um carro 4x4 o levará de volta a Cunha. O preço varia entre R$ 50 (com guia e lanche) e R$ 150 (inclui também transporte de ida e volta). Agência Cunha/Paratii. Estr. para Parati, km 56. Telelefones (12) 3111-2849/9745-7050)
5) Cerâmica artesanal (Os ceramistas utilizam a técnica Noborigama, arte milenar japonesa que transforma o barro em pedra em fornos que chegam a atingir 1.350ºC. São 2 ou 3 meses de trabalho até os ateliês esculpirem o suficiente para encher uma fornada. Então, as peças são queimadas duas vezes, 24 horas em cada etapa. Os mais famosos são Mieko e Alberto Cidraes. Os ateliês abrem diariamente e não aceitam cartão de crédito. Mieko e Mário Konishi (r. Jerônimo Mariano Leite, 510, tel. 3111-1468); Alberto Cidraes (r. Manuel Prudente de Toledo, 461, tel. 3111-1628); Suenaga e Jardineiro (r. Dr. Paulo Jarbas da Silva, 150, tel. 3111-1530); Luís Toledo (al. Lavapés, 555, tel. 3111-3281); Leí Galvão e Augusto Campos (Av. Antônio Luiz Monteiro, 816, tel. 3111-1937)
6) Igreja Nossa Senhora da Imaculada Conceição (Foi construída em 1731 em estilo colonial. Praça Cônego Siqueira, s/n Telefone: (12) 3571-1487)
Matriz
7) Igreja Nossa Senhora do Rosário (Construída no século XVIII, no ano de 1760, em estilo colonial. Foi tombada pelo patrimônio histórico e cultural. Localiza-se no Largo do Rosário, na Rua Dr. Casimiro da Rocha)
8) Museu Francisco Veloso (Documenta toda a história da cidade. Praça Coronel João Olímpio, 48)

Site bom para se informar? Portal de Cunha

4 comentários:

Lucia Cintra disse...

Conheco bem Cunha, alias, conhecia, pois meu tio morava la e ja passamos feriados e ferias de colegio la na sua casa. Era a maior farra com os primos juntos e tenho saudades! Alguns deles ainda moram la, mas nunca mais voltei depois de adolescente!

Qdo visita-los no Brasil da proxima vez, estarei passando por Cunha novamente.

Bjos

Virgínia disse...

Verdade, Lúcia??? Que legal!! Nasci pertinho de lá, já fui algumas vezes e é bem bonitinha. Hummmm lendo agora vi que esqueci de dizer que tem a doceria da Cidinha! Delicious! Bjss

Nade disse...

Obrigada, Vi!
Não sabia mesmo a autoria, mas já mencionei, graças a você.
Só quis frisar que recebi o texto por e-mail, mas que não consta a autoria.
Bjs

Lucia Cintra disse...

Nossa, nem me lembro das atracoes e coisas parecidas da cidade. Mas me lembro vividamente das 2 casas que meu tio teve la, da gente (minhas irmas e primos) caminhando pela estrada de terra (brincavamos de nos aventurar por ali), da gente comendo milho e brincando ate cairmos esgotados de cansaco... epoca muito boa. Tenho otimas recordacoes.

bjos