sábado, setembro 13, 2008

Onde é que nós estamos?

Segundo a FSP, "Prédio nega a deficiente vaga de garagem com acesso fácil. Vizinhos decidiram que cadeirante ficaria com vaga descoberta, apertada e longe do elevador. Ata da reunião de condomínio na Vila Sônia (zona oeste de SP) registra que não haveria 'concessão a nenhum dos moradores'".

A reportagem diz que "Os condôminos definiram que nem os idosos, nem os deficientes terão benefícios, já que isso fere o direito de propriedade". Sendo que a senhora cadeirante ficou com uma vaga dupla, ou seja, toda vez que ela precisar sair tem que tirar o carro do vizinho de trás do dela. Isso porque a mulher tem uma doença que é degenerativa e traz complicações à coordenação motora gradativamente. Ela está há oito anos sem o movimento das pernas e sofre com engasgos e taquicardias freqüentemente. Ou seja, pode precisar ir ao hospital em uma situação de emergência. Mas antes, vai precisar tirar o carro do vizinho... PUTA QUE O PARIU! Que mundo a gente vive?

Dar uma vaga mais acessível para uma senhora que não anda e precisa de cuidados médicos sérios, é privilégio e fere o direito de propriedade? Que gente mais sem sensibilidade!!!! Nem digo dos idosos, porque tem muito idoso bem de saúde por aí (que o diga meu avô com 83 anos), mas uma pessoa deficiente física não tem escolha. A síndica, com a delicadeza de um elefante, disse que não tinha problema nenhum, porque o marido da senhora não era caideirante, então poderia ir lá e tirar o carro antes...

Na vida a gente não deve desejar o mal para os outros. Mas tem hora que dá vontade, viu? Queria ver se um dia esse povo que votou contra (unanimidade!!!!!) passasse por uma tragédia e um filho ficasse na cadeira de rodas. Aí sim eles veriam o que é bom para a tosse!

2 comentários:

Adriana Mello disse...

Absurdo!

Virgínia disse...

Não é mesmo? E de pensar que está cheio de gente assim por ai...